Mando:
Sim senhor, está aqui um post muito bom(li tudo, ufaaaa)! fala sobre aspectos importantes na formação dos licenciados de enfermagem (digo licenciados porque não tarda nada, quando acabarmos o curso só seremos licenciados em enfermagem e não enfermeiros, pois para entrar na OE teremos de fazer o dito ano de "internato"...mas passemos á frente).

Enquanto aluno sinto realmente tudo aquilo que disse, desde o orientador que não sabe quais são os nossos objectivos para determinado ensino clínico, até ao que quer comprir os objectivos à risca não se desviando deles 1milimetro, penso que neste assunto deve haver uma tremenda ponderação e flexibilidade do orientador...quanto aos restantes enfermeiros também já apanhei profissionais de saúde que não confiam nos alunos, porquê pergunto eu! não me refiro ao ter o enfermeiro a olhar para nós cada vez que respiramos(até acho que em certas situações deve ser mesmo assim, pois estamos a lidar com pessoas e não com bonecos), refiro-me sim ao não deixar fazer!(tendo eu competencias para tal) isso a mim provoca-me uma certa especie...

Mas no geral, sempre fui bem orientado pelos enfermeiros, penso que o factor idade é aqui também muito importante, pois noto que os enfermeiros mais novos(isto na maioria dos casos) precebem melhor as nossas dificuldades, os nossos medos, e as nossas ambições, enquanto que os enfermeiros mais velhos já nos olham com outros olhos, de quem "vieste atrapalhar", "tinhas de me calhar hoje", nós alunos apercebemo-nos de tudo sabem? tal como os orientadores em relação a nós, confesso que ás vezes me apetece responder, sr(a) enfermeiro(a), nasceu ensinada? mas respeito acima de tudo!

Algo que já senti foi o facto de nos ENSINOS clinicos, quererem que nós façamos tudo bem e á primeira, mas esquecem-se que não estamos em estágio mas em ENSINO clinico, mas as mentalidades custam a mudar...

Quanto à responsabilidade do aluno na sua formação, estou plenamente de acordo, ou eu estudo e sei, ou estou-me marimbando para o estudo e não sei, é tão claro como água, se no ensino clinico me aparece uma situação nova e eu digo, isso na escola não de-mos, estou a retardar a minha aprendizagem, basta dizer, nunca dei mas vou pesquisar sobre o caso, quanto á vertente biopsicossocial da pessoa também depende muito das suas experiencias ao nivel dos ensinos clinicos e claro da sua personalidade.

Falando agora dos Farmacologia (cadeira diabinha, muitas pestanas para a fazer:P) eu também acho que deveriamos conhecer apenas os principios activos (ou pelo menos denominar os farmacos pelo seu principio activo) visto que existem farmacos com milhentas marcas mas que todas tem o mesmo DCI...mas vou parar de falar nisto que hoje já chega de ouvir falar em farmacos...:D

Bem fico-me por aqui deixando a minha ideia que nem tudo vai mal no "reino da dinamarca" ainda há muita gente(enfermeiros e admiravelmente médicos, sim eles também ja me ensinaram algumas coisas) competente e capaz de transmitir conhecimento e experiencias ao aluno de enfermagem.

Abraço e parabéns pelo exelente post.
14 de Maio de 2008 às 17:05