10 de Março de 2008
Acho que todas as profissões devem ser alvo de avaliação. Contudo, acho que a preparação dos moldes de avaliação deve sempre ter em conta não só aspectos meramente políticos, mas também envolver a participação dos avaliados. Como diz e muito bem o Prof. Sakellarides as reformas devem sempre partir não do topo para baixo, mas de baixo para o topo havendo diálogo entre as partes.

Também isto acho que deve ser aplicado na saúde...
publicado por Luís Caldas às 21:53

08 de Março de 2008
Ou pensa que vive num país autoritário ou então é autista e acha que tem sempre razão. Porque será que nem sequer debater este modelo o Governo de Portugal aceita?

Parabéns aos professores pela acção que tiveram não só em defesa da classe, como da educação pelos erros que este modelo tem em favorecer o facilitismo. Espero é que na altura de votarem não se esqueçam de votarem no partido do autoritarismo e da surdez política.

Mas para quem já disse uma vez jamais... nunca se sabe...
publicado por Luís Caldas às 14:01

07 de Março de 2008
É democrático enviar a PSP ir as escolas saberem quem vai a manifestação de amanhã?
publicado por Luís Caldas às 10:32

11 de Fevereiro de 2008
Escrevo este texto hoje, porque o regresso do Blog apenas se deu ontem e como tal, seria despropositado sobrecarrega-lo com posts.

É louvável permitir a todas as crianças de Portugal, o acesso a aulas de cariz cultural que lhe permitam o enriquecimento formativo e lhes garantam alternativas e conhecimentos para escolherem o seu futuro.

Porém, não se pode pensar sequer em fazer com que os conservatórios de música deixem de ministrar o ensino de música as crianças do 1º ciclo de ensino.

Então para garantir a todos, vamos tirar o potencial de alguns poderem vir a ter muito sucesso?

A grandeza de Portugal também se vê pela sua capacidade de criar embaixadores culturais para o mundo. Muito desses embaixadores, começam muito novos nestes conservatórios. Não matem também isto.
publicado por Luís Caldas às 20:35

20 de Dezembro de 2007
Há uns tempos atrás ninguém me veria dizer as coisas que aqui vou dizer hoje, mas tendo em conta a avaliação que tenho feito dos últimos anos da situação laboral permiti-me fazer esta análise ao Ensino em Portugal. Não vou falar em sucesso ou insucesso escolar. Não vou falar se os professores são ou não capazes. Não vou falar se deve-se obrigar a andar na escola ou não.

Vamos falar da adequação do Ensino ao mercado de trabalho.

Começo por falar do Ensino Superior. O Ensino Superior nas suas duas vertentes está a muito tempo esgotado. São vários os cursos que se encontram desajustados da realidade das necessidades do país. Exemplo disso, são os numerosos cursos que apenas têm como saída profissional o ensino e que há alguns anos que os seus profissionais se encontram em situações de desemprego.

Deixo aqui a primeira questão: Valerá a pena continuar a investir na qualificação para apenas se dizer que se detém um curso superior que para nada serve à posteriori?

O Ensino Secundário está viciado e é competitivo, os alunos que lá se encontram, muito dificilmente se preocupam em aprender. Estão mais a ser preparados para um exame final que lhes vai, socialmente definir como sendo detentores de sucesso estudantil ou vitimas de fracasso, isto é, vivem durante 3 anos para preparar a entrada no ensino superior. A que custo? Na minha opinião, o preço que se paga por esta luta sobrehumana que existe é de tal forma prejudicial ao ensino que faz com que muito pouco aprendam os estudantes do ensino secundário e que lhes retira totalmente conhecimentos de cidadania, democracia, iniciativa e liberdade de escolha.

Segunda questão: Não será o ensino secundário apenas um local de passagem que pouco contribui para a formação da pessoa, caso não opte por entrar no ensino superior ou o curso que enveredou não seja de uma componente técnica.

Por último, vou falar do Ensino Técnico, parece-me ser uma boa aposta para aquelas pessoas que se encontram no final do ensino básico ou ensino secundário. Este ensino parece-me ir de encontro a algumas das necessidades do país. Contudo não se pense que é perfeito. Abundam também neste, cursos que estão desajustados e que se fazem com base em fundos sociais europeus, agora chamado de QREN.

Última questão: Que aposta deve Portugal ter em termos de ensino para que se forme adequadamente?

A esta vou responder com a minha opinião. Portugal, precisa urgentemente de pensar as suas estruturas de ensino. É importante apostar numa formação em várias vertentes e que permita a qualificação técnica e cientifica dos portugueses. É importante reformular os vários cursos, que não têm saída profissional, não acabando com eles, mas diminuindo o seu acesso para que aqueles que optem por essa vertente possam ser substitutos naturais dos processos de envelhecimento e reforma da população. É importante apostar na qualificação técnica e na qualificação dos quadros das pessoas que já se encontram no mercado de trabalho. Não apenas com a atribuição de títulos académicos ou graus de escolaridade, mas com formação apoiada e concertada com as empresas para que se adeque as necessidades destas. Por último, é fundamental criar na população um espírito positivista de consciência cívica e de intervenção para que os portugueses consigam deixar de pensar em si como sendo os coitadinhos, mas que invistam para a formação do seu próprio emprego e que criem nichos económicos que sejam pequenas empresas e que possam também elas ser motores da mudança em Portugal. Urge que os nossos empresários tenham conhecimentos não só na sua área de investimento, mas em várias e com um bom suporte formativo em gestão e economia. Só assim, poderemos aproveitar o QREN para que seja a verdadeira rampa de lançamento para que Portugal aproveitando os fundos europeus cresça e se coloque na vanguarda da Europa e deixe finalmente a retaguarda.
publicado por Luís Caldas às 14:17

mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

2 seguidores
pesquisar
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
30
31


arquivos
2017:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2016:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2015:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2014:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2013:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2012:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2011:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2010:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2009:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2008:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2007:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


subscrever feeds
blogs SAPO